search

No ano de 1935 Hitler assinou a  Lei de Nuremberg , que criou  a segregação imediata do povo judeu. O que proibia os judeus de sere...

Negação - Two Cents (Review)

By | 15:33:00 Leave a Comment


No ano de 1935 Hitler assinou a Lei de Nuremberg, que criou a segregação imediata do povo judeu. O que proibia os judeus de serem atendidos em hospitais, nenhum judeu poderia trabalhar em qualquer agência governamental e também não podiam se relacionar com outros cidadãos. O preconceito com o povo judeu foi estabelecido pela premissa que apenas os Alemães eram a melhor espécie da humanidade. 

Milhares de pares de sapatos, que foram deixados pelos prisioneiros mortos no campo de concentração, de Auschwitz.


A segunda guerra mundial foi tema de diversos livros e filmes, um exemplo bem famoso foi A Lista  de Schindler, m dos projetos mais pessoais do cineasta judeu-americano Steven Spielberg. O filme conta a história real de Oskar Schindler, um industrial alemão que negociava com os nazistas a utilização de trabalhadores judeus em sua fábrica, poupando-os de serem levados para os campos de concentração. Outro filme é O Pianista, do diretor de Roman Polanski que é um judeu sobrevivente da Segunda Guerra Mundial,  que fingiu ser católico no interior da Polônia para escapar dos nazistas. O filme fala de sobre Wladyslaw Szpilman, um pianista que foge de um gueto de Varsóvia, na Polônia, antes de ser levado para algum campo de concentração. Os guetos eram áreas criadas pelos nazistas para isolar a população judaica.

Essa época sombria da história do mundo foi retratada de diversas maneiras por muitos escritores, alguns baseados em fatos históricos comprovados, outros em ideias adaptadas de suas próprias pesquisas. A historiadora e especialista no holocausto Deborah E. Lipstadt escreveu o livro Denying The Holocaust, que tinha como premissa explorar ideias dos negadores do Holocausto (sim existem pessoas que negam), comparando com fatos históricos. A ideia parece simples, escrever um livro e vida que segue, mas a situação para essa escritora foi mais complicada, pois David Irving, sitado na obra de Lipstadt abriu um processo por difamação por ser chamado de 'negador do holocausto'. O escritor e depois, declarado neo-nazista, David Irving afirmava que Hitler não sabia do extermínio dos judeus, e que nunca houve câmara de gás em Auschwitz, conforme suas palavras, "morreram mais pessoas na caminhada presidencial de Kennedy do que Auschwitz por câmara de gás."

Trecho do filme Negação, viagem dos advogados a  Auschwitz.


O problema é que, dentro do sistema judicial britânico, nestes casos é o próprio réu quem tem de provar a sua inocência e a falsidade das acusações, não o contrário, como nos seriados de advocacia que vemos produzidos por americanos. Assim coube a Deborah e seus advogados provar que as ideias de Irving estavam erradas e que havia veracidade nas palavras de sua cliente. E tudo isso é retratado no filme Negação que chegou aos cinemas brasileiros em 2017, mas apenas em circuito fechado. 

Rachel Weisz e Deborah E. Lipstadt
Negação é interessante pois nos faz pensar que existem pessoas que negam fatos simples. Analisando as histórias criadas por pessoas como Irving, que adaptam a verdade de eventos para casarem com suas opiniões, percebemos que muitos ainda acreditam que Elvis e Michael Jackson não morreram, ou que a Terra seja plana. 

E hoje em dia mais que nunca a mídia permite que fatos e mentiras sejam nivelados. Devemos entender que a verdade não é relativa. E se alguém fizer uma afirmação, mesmo que esteja no cargo mais alto do mundo, devemos questionar, "Onde estão as provas?, Onde estão as evidências?". O filme Negação nos ensina que não devemos tratar qualquer assunto como se as mentiras se equiparassem a verdade. 

Galileu nos ensinou há anos atrás, mesmo após o Vaticano força-lo a se retratar que a Terra se movia em torno do Sol, ele se pronunciou: "Mesmo assim, ela se move"! Acredito que esse filme deve ser visto, por isso escolhi escrever sobre ele ao contrário de outros blockbusters que estão nos cinemas. 




Obs. Algumas frases desse texto foram retirados da palestra de Deborah Lipstadt, para ver na integra acesse ted.com/talks
Postagem mais antiga Página inicial